Crime contra mulheres e culpabilização das vítimas: a interseccionalidade com a raça e classe social

Autores/as

  • Angela Maria Moura Costa Prates
  • Ana Claudia Da Silva Abreu

Resumen

O objetivo é analisar como as mulheres são representadas dentro do sistema de justiça criminal, quando são vítimas de crimes como o feminicídio e o estupro. A opção metodológica é o enfoque dado pela perspectiva da criminologia crítica e feminista, interseccionando gênero, raça e classe social. Optou-se pela investigação de dois crimes: o feminicídio, em razão de sua aplicação estar, na maioria dos casos, relacionada aos conflitos domésticos e aos papeis esperados das mulheres (mãe/esposa); e o estupro, por representar o controle do corpo das mulheres e da sexualidade feminina. As relações desiguais entre os gêneros não ocorrem apenas no ambiente doméstico e nas relações afetivas, mas também em lugares que devem garantir proteção e segurança às mulheres, como o sistema de justiça criminal. Ainda, devido à raça e à classe, as mulheres podem ser culpabilizadas por um crime cometido contra elas, como ocorre no estupro ou no feminicídio.

Palabras clave:

Crime, criminalização, gênero, raça, classe social